Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

The Anubis Gates

The Anubis Gates
Lido em Inglês
Resumo: Brendan Doyle é um professor académico do Séc. XX que é convidado por um cientista louco a dar uma palestra no séc. XIX sobre um poeta obscuro, a um grupo de pessoas ricas que têm dinheiro para pagar para viajarem no tempo. É raptado por uns ciganos praticantes de magia egípcia e fica por isso impedido de regressar ao seu tempo. Sozinho num mundo e século que desconhece, Doyle vê-se obrigado a sobreviver numa Londres onde os pedintes têm regras, onde um homem-cão anda a trocar de corpo em corpo, em que a magia possibilita a criação de clones, teletransporte e de guildas secretas. Depois de muitas aventuras, um corpo novo e a consagração como poeta, Doyle, agora Ashblee, consegue destruir os maus, enganar a morte e ficar com a miúda no final.

Expectativa: Muito alta. Tem viagens no tempo e era recomendado como obra de steampunk. Além disso era um livro premiado. Pensei mesmo que iria começar a minha leitura temática com “chave d’ouro”.

Opinião: Há livros assim: têm tudo para gostarmos deles e depois o amor não acontece. O “The Anubis Gates” prometia uma viagem mirabolante, e assim foi. A melhor forma de o descrever este livro será como um “Alice no País das Maravilhas” mas sem “maravilhas” e cuja “Alice” é um professor académico muito irritante que se torna no nosso herói acidental.
O conceito de “viagem no tempo” é muito interessante e a explicação deste foi provavelmente a única cena de todo o livro que gostei. Tudo o resto é confuso, bizarro e simplesmente maçador.
Ao início não percebi porque é que o livro estava a ser tão chato, só ao fim de umas 100 páginas é que cheguei à conclusão que era a escrita do autor e não as cenas em si que me aborrecia. É muito desgastante estar a meio de uma cena de acção e ter a atenção desviada para a descrição de objectos ou os lugares onde estas ocorrem. Constantemente!
Doyle deve ser, provavelmente, o herói mais chato e desinteressante de sempre. Passei mais de metade do livro a desejar-lhe a morte, para acabar de vez com o meu sofrimento. As restantes personagens são horríveis, muito além do excêntricas ou fisicamente deformadas. Um verdadeiro circo de horrores. 
A história deu várias reviravoltas, a grande maioria confusas, principalmente os saltos para cenas com novas personagens em que era difícil ou mesmo impossível compreender as motivações ou qual a finalidade delas para aquele momento da história. Penso que a grande maioria não teve finalidade alguma a não ser aparecer no “circo de horrores”. E, apesar de tantas reviravoltas, acabei por adivinhar o final a muitas páginas antes deste acontecer.
O meu interesse em ler este livro foi que, além de abordar aventuras e viagens no tempo, era também referido constantemente como uma das primeiras obras steampunk. Ora, eu sei que sou novata em relação ao conceito e por isso agradeço desde já que me elucidem qual foi a parte steampunk que me escapou no The Anubis Gates. É uma história de ficção científica (viagens no tempo) com elementos de magia que acontece no séc. XIX. Não há evolução de tecnologia antes do tempo, não há naves voadoras, dirigíveis, carros, comboios ou barcos a motor. Por isso elucidem-me, onde está o Steampunk?? As explicações serão bem-vindas. Até lá irei remeter este livro para a estante de Viagens no Tempo.

Pontos positivos: Não me lembro de nenhuma além da criatividade. Talvez seja mais interessante para quem sabe mais sobre literatura inglesa do séc. XIX.

Pontos negativos: Chato e estapafúrdio.

Estado de espírito: Bom ao início, apesar de esta ser uma época do ano em que ando muito cansada e nada disposta a ler livros confusos.

Fez-me refletir sobre: Tenho de me manter afastada de todos os livros que digam Tim Powers.
Este livro foi-me oferecido pela “A Bibliofila” e enviado da Suécia, que o escolheu porque estava na minha wishlist e que nem ela nem ninguém poderia imaginar que eu não ia gostar do livro.  Há quem goste e muito e foram essas críticas positivas que nos levaram ao engano!

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D