Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Soulless

SoullessLido em Inglês

Resumo:
Alexia Tarabotti é uma solteirona inglesa de ascendência italiana. Além disso não tem alma, pormenor que não a incomoda muito mas que significa que ela é um dos poucos prenaturais existentes em território britânico, capaz de neutralizar os poderes de qualquer vampiro, lobisomem ou fantasma. Por isso mesmo não é difícil Alexia meter-se em sarilhos com qualquer uma destas entidades sobrenaturais, dando muitas dores de cabeça a Lord Maccon, o macho Alfa da matilha de Lobisomens de Londres e chefe do BUR (Bureau of Unnatural Registry). Quando Alexia mata acidentalmente um vampiro dá-se início a uma investigação sobre o aparecimento destes vampiros mal vestidos e mal educados, o desaparecimento de vampiros e lobisomens solitários e uma sociedade secreta de cientistas com uma curiosidade científica muito pouco ortodoxa.

 


Expectativa: Não tinha grande expectativa (e talvez melhor assim). Apesar das boas opiniões de pessoas cujas opiniões valorizo pressenti que não seria bem o meu tipo de leitura de eleição.

Opinião:
Ora aqui está uma opinião difícil de escrever porque tanto adorei como detestei este livro, pelas razões que vou passar a explicar.
O primeiro impacto que tive com Soulless foi a linguagem. Já é um bocadinho complicado para mim ler em inglês (mas até me desenrasco relativamente bem) mas a autora tentou ser fiel ao que seria a linguagem dos ingleses do séc. XIX, recorrendo a vocabulário mais rebuscado e pouco usual. Por isso mesmo dei por mim a não perceber certas piadas e a ficar frustrada com isso. O tipo de humor é “nonsense” e que funciona muito bem sendo, sem dúvida, um dos seus pontos fortes. Tudo parece um pouco bizarro: uma senhora inglesa com vestidos elaborados a matar um vampiro com um acessório para prender o cabelo e fingir um desmaio para pouco depois beber uma chávena de chá enquanto fala com dois lobisomens.
A seguir é a criatividade. Apesar de retratar vampiros, lobisomens e outras entidades sobrenaturais integrados na sociedade (Olá Sangue Fresco!), esta é uma sociedade do séc. XIX, uma versão alternativa à nossa em que os sobrenaturais se revelaram ao mundo durante o Renascimento e por isso a sua tecnologia é mais desenvolvida para a época. A Gail Carringer conseguiu surpreender-me várias vezes, tanto com o conceito de “prenatural”, ou sem alma, ou por ter adoptado vampiros e lobisomens sob a sua forma mais tradicional: não podem ver o sol, animais noctívagos e que enlouquecem com a lua cheia. Também gostei bastante do mistério no livro que, apesar de pouco elaborado e até um pouco previsível apresentou-se como suficientemente interessante e diferente de outros que já tinha lido.
O que eu não gostei muito foi do romance. Porque este livro é, na sua forma mais simples, um livro de literatura romântica. Um daqueles muito fraquinhos e cheios de clichés que me fazem ranger os dentes.
Alexia é o cliché de “menina inteligente e feia”: por ser inglesa mas de ascendência italiana tem um nariz aquilino e a pele mais escura, deixando-a de fora dos padrões de beleza aceitáveis. Basicamente Alexia acha-se feia e esse facto é-nos repetido, mencionando ou a pele ou nariz, vezes e vezes sem conta. As observações acutilantes de Alexia perante as situações são bem divertidas mas, ao contrário do que a autora nos quis fazer acreditar, não achei a Miss Alexia Tarabotti nada de inteligente por aí além. Apenas metediça. O romance entre ela e Lord Maccon oferece-nos momentos muito interessantes e adorei a forma como os dois interagem. Lord Maccon é o primeiro lobisomem que eu gostei realmente de ler e um bom herói romântico: forte, grande, teimoso, alfa e paciente. É que eu tenho este problema: quando passam o livro inteiro a dizer-me que certa pessoa é feia e a escritora não a consegue dotar (na minha opinião) com a devida inteligência, apesar de ter tentado, é-me muito difícil perceber o que é que o herói romântico vê nela. Tudo me pareceu muito forçado, muito óbvio e sem grandes obstáculos. O final foi perfeito, demasiado perfeito para o meu gosto.
Os personagens secundários só existem para que os principais pareçam melhores. O Professor Lyall e a Miss Hisselpenny são o exemplo disso, assim como as duas irmãs bonitas e burras de Alexia. O Lord Akeldama é a personagem gay do livro (ai, os estereótipos).
Em conclusão, Soulless é um livro romântico e levezinho, com um mistério e alguma acção. É um bom livro para quem gosta do chamado romance paranormal ou histórico e uma excelente introdução ao steampunk pois tem muito pouco mas o suficiente para aguçar o apetite por mais. É também um bom primeiro livro para uma autora que acredito que será capaz de fazer melhor.

Pontos positivos:
O humor e a criatividade, os elementos steampunk, o Lord Maccon.

Pontos negativos:
A previsibilidade da história e do romance. Cada cena era um momento “ó não, lá vão eles sentarem-se e conversar durante o chá”. Tudo me pareceu uma sequência de diálogos interrompido apenas por três ou quatro cenas de acção.

Estado de espírito:
Boa, apesar de este não ser bem o livro que me apetecia ler agora. No entanto, e já na fase final da leitura, ajudou-me bastante a não pensar em nada.

Fez-me refletir sobre:
Até os seres sobrenaturais precisam de preencher papelada. As miúdas feias também têm direito a divertirem-se.
Nota: Este livro foi emprestado pela WhiteLady3.

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D