Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Um pequeno manual de cabeleireiro

Não pude deixar de ter pena da Charlotte quando li a sua experiência no cabeleireiro, depois de ter dito que queria fazer reflexos no cabelo. Eu já tive a minha quota de más experiências e tenho actualmente 2 cabeleireiras em salões diferentes: uma que corta bem mas que não pinta bem, outra que pinta fantasticamente bem mas não sabe cortar. Decidi por isso, a bem da minha amiga Charlotte e de outras vítimas de maus cortes e afins, escrever um pequeno manual de cabeleireiro:

 

Referências

A não ser que seja aventureira, não entre no primeiro salão que encontrar, ou porque é perto de casa ou do trabalho, ou porque o espaço é bonito. Procure saber se alguém conhecido já lá foi: amiga, colega, mãe e qual foi o resultado final.

 

Marque hora

Primeiro evita que seja atendida por uma cabeleireira qualquer mas sim por aquela com quem marcou a hora. Se tentarem empurrá-la para outra cabeleireira porque a cliente habitual pediu para ser atendida, diga não. Tem o mesmo direito que a dita outra de ser atendida de forma igual.

 

Aprenda "cabeleirês"

O que é que a sua cabeleireira entende por mise? Madeixas? Reflexos? Banho de cor? Não me esqueço de há uns anos para cá terem passado a traduzir "conditioner" (do inglês) para "condicionador" quando a palavra certa era amaciador. O facto é que na cabeça de muita gente o condicionador é uma coisa completamente diferente. Para quê ateimar? Não vale a pena. Reflexos, luzes ou madeixas é tudo a mesma coisa, importa apenas saber o que é que a sua cabeleireira entende cada um e qual a técnica que usa.

 

Pergunte antes!

Usa prata ou touca? Corta à tesoura ou naifa? Consegue-me fazer um escadeado? Sabe fazer uma franja escadeada que fique abaixo da linha dos olhos? Se a dita cabeleireira não gostar do inquérito, azar! O cabelo e o dinheiro são seus. Se ficar mal, não volte lá. Para quê insistir, mesmo que seja terrívelmente simpática, quando tem que andar com um penteado que não lhe serve?

 

Como disse, demorei anos até ter encontrado 2 cabeleireiras que adoro: a Salette que conheci no curso do CAP, tem actualmente 65 anos e corta cabelo como ninguém. Acerta sempre nas medidas que o meu rosto precisa e sugere sempre uma mudança quando "já não se usa assim".

A outra cabeleireira foi por referência de uma amiga e pinta com pratas, tem um olho excelente para a melhor cor para o meu tom de pele e fico sempre com um look elegante. Ambas sabem da existência da outra e nunca me levantaram problemas.