Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Sobre o desperdício de papel

Todos os dias depois de dar entrada do correio do escritório fico sempre com a sensação que preciso de um balde do lixo maior. A razão é simples e óbvia: A quantidade de papel que deito fora é tanta ou mais que aquela que realmente guardo e interessa.

Mais triste ainda é saber que poderia evitar-se deitar tanto papel fora, principalmente agora que vivemos numa época de consciência ambiental.

As empresas continuam a ser extremamente autistas em relação a este assunto e insistem no mesmo tipo de divulgação e publicidade, sem considerarem que há alternativas menos dispendiosas e ecológicas.


 


Para terem uma perspectiva do meu correio, isto é o que eu deito para o lixo:


 


- Os envelopes: Todos, excepto os registados. Há empresas que enviam facturas em separado, uma por envelope, por exemplo. Uma alternativa inteligente é a adoptada pelo serviço de finanças em que a informação é dobrada sobre si mesma e transformada em envelope. Entendo que empresas pequenas como a minha não tenham acesso a esse tipo de envelopagem, mas com tanta inovação em design, porque não uma alternativa viável para as pequenas e médias empresas?


- A publicidade: Eu sou cuidadosa e paciente o suficiente para de vez em quando ligar para as empresas e dizer: "Olhe, agradecidos pela informação mas envie para o email. Não precisa de enviar em papel." Ou então simplesmente digo que não queremos continuar a receber. De pouco ou nada serve. A Makro por exemplo, levantou tanta burocracia que simplesmente desisti!


E mais do que ser publicidade em papel, aflige-me ver publicidade em papel tão caro! Uma escola Superior envia a informação sobre os cursos e pós-graduações em papel caro, em formato de folheto agrafado, a cores, pesadíssimo. Porquê gastar tanto dinheiro das propinas dos alunos nesta informação que vai directamente para o lixo?? Não é o conteúdo que interessa afinal?


 


Enfim... fica aqui algumas divagações sobre o assunto, de certeza que mais alguma me ocorrerá, entretanto, se por acaso alguém se interessar por este artigo, um ou dois conselhos simples:


 


- Pergunte antes se realmente queremos receber a sua informação. Se não somos o seu público-alvo, poupará à sua empresa de estar a deitar dinheiro ao lixo (literalmente).


 


- Reveja a sua mailing list: os que foram devolvidos, os que nunca encomendaram nada...


 


- Considere o email uma alternativa: uma newsletter bem feita poderá conseguir mais resultados que uma brochura em papel. O email é automaticamente reencaminhado para os chefes, a brochura anda de secretária em secretária a ganhar pó.


 


Se acha que o deito para o lixo por vontade própria, desengane-se: quando vim para este emprego, distribuía a publicidade por todos, pois desconhecia o que deitar fora. Foi por indicação dos meus chefes que fui separando o que lhes interessava e o que eles nem querem ver. E se, depois de ler isto, ainda achar que a publicidade em papel ainda vale a pena bem... então sempre terei de arranjar um caixote do lixo maior.