Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Medidas rectificadas

por Telma Teixeira, em 30.12.13

O senhor já rectificou as medidas da minha cozinha e está tudo ok. Agora é aguardar que me liguem do Leroy Merlin para ir "fechar o negócio", pagar e combinar o dia da montagem. É desta!!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:33

A bancada

por Telma Teixeira, em 26.12.13

A amostra que vi na loja era mais bonita e mais parecida com o meu chão do que a imagem na foto. Estou com receio que a bancada que escolhi fique mal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:46

Novidades sobre a cozinha

por Telma Teixeira, em 26.12.13

Depois do anúncio (agora reconheço que foi um pouco prematuro) que ia comprar uma cozinha IKEA, da linha Fyndig, venho agora dizer que mudei de ideias e optei por comprar uma cozinha da Leroy Merlin. O que se passou foi o seguinte:

  • Primeiro montei a cozinha no software do IKEA e dei uma vista de olhos às alternativas MAS convenci-me que o Ikea seria a minha melhor opção preço/qualidade.
  • Fui ao IKEA, escolhi a opção mais barata que tem a desvantagem de ser modular. O que é que isto significa? Que, por exemplo, em termos de largura, só tinha duas opções: móveis de 40 cms ou de 80 cms.
  • Quando o senhor foi à minha casa rectificar medidas chegou-se à conclusão que me faltaria 2 cms para colocar a máquina de lavar loiça. Depois o senhor repetia exaustivamente: "Se fosse Faktum, era mais fácil, tapava esse buraco aí, agora esta fica assim, com esse buraco." E quando dei por mim via buracos em todo o lado: ao lado do fogão, entre a máquina de lavar loiça, nos móveis superiores... Iria ficar uma cozinha "Lego" e pouco bonita. A dúvida começou a instalar-se na minha mente: "Será que ao fim de tanto tempo é só isto que eu consigo pagar? Uma cozinha mal acabada?"
  • Decidi ver alternativas, como em espaços dedicados a este tipo de fabrico e construção, mas que infelizmente superavam em 1.000,00€ o que eu tinha escolhido no Ikea.
  • Entretanto, em conversa com uma amiga minha no comboio, ela sugeriu o Leroy Merlin. "Não vês aquelas cozinhas giríssimas que eles metem no "Querido, Mudei a Casa"? são todas de lá. Vai lá ver."
  • Quando cheguei ao trabalho, fui ao site da Leroy Merlin e fiquei surpreendida com o upgrade que tinha sofrido: não só tinha mais variedade de escolha como tinha os valores de todos os módulos das suas cozinhas à disposição, mais respectivos valores.
  • No fim-de-semana seguinte, já com o trabalho de casa feito, dirigi-me à Leroy Merlin de Almada onde pude retocar o desenho que levava comigo e fazer mais algumas alterações. A senhora que me recebeu foi uma simpática, que deixou o marido à espera, para ainda fazer o meu orçamento. Dois dias depois recebia uma boa surpresa por email: toda a cozinha era 300€ mais barata (e sem buracos) e o transporte com a respectiva montagem fica 250€ mais barata que no Ikea. Escolhi também o modelo mais barato mas podia me ter esticado para o modelo acima, se quisesse.
  • Apesar de ter feito algumas tentativas de telefonicamente marcar a rectificação de medidas, só hoje é que o consegui fazer porque fui mesmo à loja fazê-lo.

Assim sendo, as cenas do próximo capítulo, serão a rectificação de medidas que ainda será num dia a decidir. Depois disso, se tudo correr bem, compra e montagem da minha cozinha Leroy Merlin.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:10

Esta altura de fim-de-ano costuma estar povoada por balanços de toda a espécie e, no que toca às leituras, é uma excelente forma de olhar para o que foi lido. Isto não é um balanço ainda mas queria falar um pouco sobre o quanto o desafio anual do Goodreads pode ser frustrante.

Tenho aumentado a minha meta conforme a minha confiança na velocidade de leitura: de 24 livros em 2011 passei para 29 em 2012 e reduzi para 26 em 2013. Entretanto, decidi retirar os contos isolados que leio, da contagem. Apesar de o número de páginas lidas ser relevante, contos não são propriamente livros. Assim sendo, o resultado final é o seguinte:

Como dá para perceber eu li, nos últimos 3 anos, exactamente o mesmo número de livros, sem tirar nem pôr. Ora, pode ser frustrante quando se faz um esforço tão grande para ler mais e ultrapassar os próprios limites. Contudo o caso muda de figura quando se olha para o número de páginas lidas:
Percebe-se claramente que li muito mais este ano.  Apesar de ainda não me ter debruçado muito sobre as razões, há uma hipótese que me salta imediatamente à vista: li mais livros grandes este ano. Ao ler um livro de 704 páginas como o "O Padrinho" só me fazia pensar que tinha que manter o ritmo para poder alcançar o objectivo de 26 livros lidos.  Por outro lado, livros mais pequenos dão uma sensação falsa de velocidade, de estar a manter o ritmo ("Great, you are 2 books ahead") tornando-me mais "preguiçosa".
Num ano em que procurei ler mais qualidade que quantidade, fico contente em perceber que atingi ambos os objectivos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:25

Documentário sobre Margaret Mitchell

por Telma Teixeira, em 16.12.13

Está disponível online um documentário muito interessante sobre a autora de "E Tudo o Vento Levou", o livro que estou a ler de momento.

 

Como este foi o único livro que ela escreveu e devido ao tremendo sucesso que teve, torna-se muito interessante saber um pouco sobre a pessoa por detrás da história. Vi este documentário o ano passado (quando li a primeira metade do livro) e fiquei tão fascinada pela autora como estava pelo livro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:35

O Padrinho, de Mario Puzo

por Telma Teixeira, em 13.12.13
O Padrinho

 

Para mim "O Padrinho" vai ficar para sempre associado à praia, estendida ao sol, tentando acabar as últimas páginas do livro mas lamentando terminá-lo.

Mário Puzo é um escritor excepcional. Esperava uma escrita crua como a de outros escritores que li dentro do mesmo género e fui surpreendida por uma prosa que nos envolve e aconchega. São setecentas e quatro páginas de puro prazer e entretenimento. Todos nós temos uma noção do que é a Máfia italiana mas só quando se lê este livro é que compreendemos a sua verdadeira essência. Como é formada essa teia de influências e favores, por que valores se regem estes homens, que têm uma cultura tão enraizada que nem um novo país com leis diferentes consegue mudar. Submundo, rede de tráfego de influências, luvas, tudo é aqui explicado através das palavras e acções destes senhores. As suas vidas são algo de assombroso: vivem com a morte e a violência diariamente. Afinal, isso é algo que faz parte do negócio. E só ao ler o livro é que percebi (vi os filmes primeiro) o quanto eles acreditam que o que fazem é bom e correcto. Os seus valores morais, intrinsecamente ligados à religião, são o que lhes dão a justificação para fazerem o que fazem. E são de tal forma convincentes que dava por mim a concordar com eles, a torcer por estes "heróis" que nada mais fazem do que proteger os mais desfavorecidos.
Vito Corleone é inegualável. A primeira vez que vi o filme foquei-me mais na transformação de Michael mas depois de ler o livro fiquei rendida à história de este homem que chegara aos EUA ainda menino, sozinho e sem nada e que tudo conseguiu por ter uma mente arguta e um bom par de "cojones".
Na eterna discussão sobre o que é melhor (livro ou filme) eu vacilo neste caso específico. Como não querer ver o Marlon Brandon como Vito Corleone? Como não ver o Al Pacino transformar o vacilante Michael Corleone no poderoso sucessor do seu pai? A minha conclusão é que ambas as obras complementam-se e ajudam à compreensão da complexidade deste enredo que forma "O Padrinho".

 

Nomes dos personagens: Vito Corleone, Sonny e Michael Corleone, Tom Hagen, O "Turco" Sollozo, o capitão da polícia McCluskey, Peter Clemenza, Johnny Fontane, Luca Brasi.

Nomes dos lugares: Sicília, Nova Iorque.

 

Violência física: Sim
Violência psicológica: Sim
Tipo de cenas: Mortes violentas, chantagens, perseguições.
Mensagem: Política, Religiosa
Pontos positivos: O enredo intrincado e complexo, a escrita, as frases tão poderosas que entraram no nosso vocabulário.
Pontos negativos: Os capítulos de Johnny Fontane.
Fez-me reflectir sobre: Valores morais, família, protecção, dever.

 

Autor: Mário Puzo
Editora: Bertrand
Estante: Grandes autores
Período de leitura: de 26 de Julho a 17 de Agosto de 2013
Formato: Papel
Língua: Português
Classificação: 5: Adorei-o! É muito bom.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

A casa dos espíritos, de Isabel Allende

por Telma Teixeira, em 12.12.13

 

A Casa dos Espíritos

Apesar de ser apaixonada por literatura sul-americana sentia-me simultaneamente curiosa e intimidada em ler este livro, pela sua popularidade. "A Casa dos Espíritos" foi um livro de grande sucesso em Portugal, sucesso este impulsionado pela filmagem do livro nele baseado ter sido feita quase na sua totalidade no nosso país. Ultrapassada esta pressão mergulhei na sua leitura e depressa percebi que pouco ou nada me lembrava dos acontecimentos que tinha visto no filme há muitos anos atrás.
A acção desta história decorre num país sem nome da América do Sul, em tudo semelhante ao país da família da autora, o Chile. Neste livro seguimos três gerações da mesma família, desde o início do século até ao golpe de estado que depôs "O Candidato" eleito nos anos setenta. É curioso como o vilão da história sobrevive a todos os outros personagens que, de uma forma ou de outra, perecem à sua volta. Esteban é um homem duro e muitas vezes cruel, determinado a impor a sua visão do mundo na vida de todos aqueles que o rodeiam.

Felicitou-se por ter comprado uma passagem mais cara, pela primeira vez na vida, e concluiu que era nos pormenores que estava a diferença entre um cavalheiro e um camponês. Por isso, embora em má situação, desse dia em diante iria gastar dinheiro nas pequenas comodidades que o faziam sentir rico.

 

Essa sua atitude acaba por alienar todos aqueles que ele ama, principalmente Clara, quem ele amava de uma forma quase doentia. 

Enquanto Esteban é o sustento financeiro para as mulheres da sua vida, estas são o seu sustento emocional e espiritual. Sem elas Esteban não é ninguém e a morte de cada uma delas transforma sempre o rumo da sua vida.
Clara é uma dos três narradores da história e, durante grande parte da história, o pilar desta família pouco convencional. As suas qualidades sobrenaturais dão um colorido interessante a esta história maioritariamente de tom político. Aliás, não fossem os conflitos familiares, as características extravagantes de alguns personagens e o romance, "A Casa dos Espíritos" seria um livro terrivelmente monótono abafado pelos ideais políticos que a autora tenta transmitir. Há muito mais para dizer sobre este livro em termos de simbologia mas penso que análises desse tipo são mais dignas para uma dissertação do que para uma opinião geral de um blogue. Além disso sinto que sempre que sobreanaliso uma obra acabo por "matar" um pouco a magia da primeira leitura, patamar onde me quero manter em relação a este livro.
Gostei bastante d' "A Casa dos Espíritos" , principalmente do seu enredo denso e complexo, inundado de personagens interessantes e situações um pouco invulgares. A escrita é muito bonita mas longe da beleza de outros autores sul-americanos, como Gabriel Garcia Marquéz.

 

Nomes dos personagens: Clara, Blanca, Alba, Esteban, Férula, Pedro Tercero.
Nomes dos lugares: Três Marias, a grande casa da esquina, a capital.
Conteúdo sexual: Sensual e pouco descritivo.
Violência física: Sim, algumas cenas de tortura são descritas com bastante detalhe.
Violência psicológica: Sim, discussões e confrontos.
Mensagem: Maioritariamente política.
Pontos positivos: E escrita, a história da família e os poderes de Clara.
Pontos negativos: A parte política da história que quase sufocou o final.
Fez-me reflectir sobre: O quanto estamos ligados e precisamos uns dos outros.


Autor: Isabel Allende
Série: Tripartite (#3 de 3)
Editora: Difel
Estante: Grandes autores
Período de leitura: 21 de Junho a 27 de Julho de 2013.
Formato: Papel
Língua: Português
Classificação: 4: Gostei muito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

The Kraken King

por Telma Teixeira, em 11.12.13

Já há capa para o 4º livro da saga Iron Seas, da Meljean Brook, intitulado "The Kraken King".

 

 

Fonte: All Things Urban Fantasy

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:01

O Filho de Thor, de Julliet Marillier

por Telma Teixeira, em 11.12.13

O Filho de Thor

Desconhecia por completo esta autora e "O filho de Thor" mas conheço várias pessoas que gostam bastante dela e decidi aceitar a recomendação da Célia. Não sei bem porquê mas tinha-a associado à Anne Bishop o que agora percebo que foi um erro pois ambas são muito diferentes na escrita e universos. A escrita de Marillier é muito bonita e poética, com muita imaginação e informação histórica mas sem aquele "despejar de informação" que muitos autores acabam por fazer.
A primeira metade do "Filho de Tor" foi a que mais me custou, pois serve para contar como surgiu a amizade entre Sommerled e Eyvind, enquanto rapazes. Não morro de amores por histórias com crianças e cheguei a pensar em desistir. No entanto, a autora coloca estrategicamente alguns mistérios e conflitos que ajudaram a manter o interesse e partir para a segunda metade do livro que se passa nas Ilhas Brilhantes.

Sommerled é desde o início o aparente vilão da história. No entanto como é apenas um rapaz assustado que sofreu bastante na infância ficamos sempre na dúvida se ele é intrinsecamente mau ou apenas produto do seu meio e ambições. Depois há a sua relação com Eyvind. Este é um rapaz lutador e corajoso, de ideais e ambições simples. Só que é essa bondade inata que atrai e mantém Sommeled no seu melhor, impedindo-o de se tornar totalmente mau. Eyvind passa por várias e diversas dificuldades ao longo desta história. Sofre quando tem que agir contra aquilo que acredita e a sua recuperação acontece através de Nessa que se torna a sua mais improvável aliada. Por seu lado Nessa vive em conflito por se apaixonar por um guerreiro do grupo que está em luta com o seu povo e ajudar o seu povo a sobreviver. Foi por causa de Nessa que me apaixonei por esta história. As passagens sobre ela e a sua magia são lindíssimas e transportou-me para um tempo em que nós humanos vivíamos mais ligados à nossa Mãe-Terra.
Em resumo: adorei este livro. Começa de uma forma talvez pouco interessante e lenta mas a pouco e pouco prende-nos, principalmente através dos seus personagens, e faz-nos apaixonar por aquele bonito mundo das Ilhas Brilhantes.

 

Nomes dos personagens: Eyvind, Sommerled, Nessa, Ulf, Margaret.
Nomes dos lugares: As Ilhas Brilhantes, Rogaland
Conteúdo sexual: muito discreto: beijos e carícias.
Violência física: Sim, alguma. Pouco descritiva. Cenas de batalha.
Violência psicológica: Sim, discussões e confrontos verbais.
Mensagem: Política, religiosa.
Pontos positivos: A escrita da autora, as cenas de magia de Nessa, Eyvind.
Pontos negativos: A parte inicial enquanto Sommerled e Eyvind são crianças: apesar de necessária tornou-se um pouco chata.
Fez-me reflectir sobre: Colonização e choque de civilizações. Ligação às forças da Natureza.

 

Autor: Julliet Marilliet
Série: Saga das Ihas Brilhantes (#1 de 2)
Editora: Bertrand
Estante: Romance Histórico
Período de leitura: 6 a 21 Junho de 2013
Formato: Papel
Língua: Português
Classificação: 5 estrelas: Adorei-o! É muito bom.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

Pág. 1/3



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D