Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Personagens do L.A. Confidential

Como são muitos nomes para memorizar e nem sempre sei se estou a visualizar o personagem certo, vou aqui apontar os personagens principais do "L.A. Confidential" que estou a ler. Usei os actores do filme com o mesmo nome, que pretendo rever quando terminar a leitura.

Jack "Caixote do Lixo" Vincennes
Bud White
Edmund J. Exley
Dudley Smith
Sid Hudgens - Revista "Hush Hush"
E por enquanto são estes porque a personagem da Kim Basinger ainda não apareceu.

The Savage

Lido no Kindle
Lido em Inglês

Resumo: Summer Weston é filha de um fazendeiro texano rico, bonita e mimada. Está habituada a brincar com os corações dos homens que a rodeiam mas há Lance Calder continua a escapar-lhe. O livro começa na noite em que Summer consegue finalmente seduzi-lo e com isso fazer com que seja despedido pelo pai dela. Cinco anos e uma guerra civil depois o Texas é um lugar perigoso para se viver. A irmã de Summer foi raptada e o seu único irmão sobrevivente está incapaz de ajudar. Summer recorre a Calder para ajudá-la a recuperar a irmã e o que ele lhe pede em troca é que Summer se case com ele. Casados partem em busca de Amelia e salvam-na. No entanto, a aventura de ambos não termina com o resgate pois terão de enfrentar juntos o racismo e a xenofobia de serem um casal inter-racial.

Expectativa: Esperava um romance meloso com cenas quentes.

Opinião: Ora aqui está uma autora que escreve o tipo de literatura romântica que gosto de ler. Eu gosto muito de histórias em que o casal protagonista não consegue tirar as mãos de cima um do outro e no entanto passam o tempo a discutir, a resistir ao amor, a não acreditar que sejam correspondidos. E esta história tem isso tudo. Lance Calder é mestiço e alvo de xenofobia, tornando-se por isso muito desconfiado e orgulhoso. Summer é a tipica dama frágil e virgem, cheia de pudores, que fica à mercê do selvagem Lance. Coitadinha! No entanto a Summer é uma personagem que tem uma evolução muito positiva e que demonstra uma grande força interior.
Gostei muito do contexto histórico, Texas após a guerra civil Norte Americana, o que me fez relembrar bastante o "E tudo o Vento Levou". A autora dá-nos uma perspectiva dos colonizadores brancos, da guerra pelas terras com os índios, a provação das tribos índias com a invasão dos brancos, as tradições Comanches, etc... Muito bom, sem ser secante.
Depois há também a questão racial que tanta dor provoca. Apesar do "amor vencer no final" gostei que a autora tivesse o cuidado de mostrar que eles só conseguiriam viver como casal se Lance fosse bem aceite pela sociedade branca.
Por fim, as cenas mais quentes são das mais escaldantes que já li. A escritora é mestre em torturar o leitor com "quase" cenas, em que quase acontece mas algo impede que levem o acto até ao fim e lá ficamos nós, leitores, pendurados mais umas 100 páginas até que algo aconteça. Até me obriguei a procurar uma imagem de um índio americano para ter uma boa imagem do rapaz. Escolhi aqui o modelo Rick Mora que é um belo representante da sua etnia:
Com um Lance assim quem é que resistiria?!

Note-se que li este livro no Kindle, numa reedição especial em ebook porque a versão em papel foi apenas publicada nos anos 90. Graças à reedição electrónica pude ler esta história da qual gostei bastante.

Pontos Positivos: O contexto histórico, as cenas de sedução, o argumento de angústia constante que me fez devorar páginas.

Pontos Negativos: A autora repete as mesmas expressões várias vezes, o excesso de amor no fim do livro, o facto das personagens secundárias serem tão bidimensionais.

Estado de Espírito: Boa e este livro tornou-a ainda melhor.

Fez-me reflectir sobre: Racismo, solidão, diferenças culturais.

Um Toque de Sangue


Resumo: Este livro é constituído por 5 contos. Pó de Fada - Neste conto Claude e Claudine procuram Sookie para ajudá-los a descobrir quem matou a sua irmã-gémea, Claudette. Noite de Drácula - É a noite de aniversário de Drácula e Eric espera ansiosamente que o conde honre o Fangtasia com a sua visita. Resposta de Uma Palavra Só - Sookie recebe a visita do advogado da rainha Sophie-Anne com uma triste notícia. Sorte - Sookie e Amelia aceitam ajudar o agente de seguros da Sookie. Presente Embrulhado - Sookie descobre um presente inesperado na floresta na véspera de Natal.

Expectativa: Nenhuma, eu conheço bem esta saga e já sabia que se tratava de uma série de contos já publicados.

Opinião: Os contos desta compilação são pequenos casos ou situações que acontecem com a Sookie em momentos entre os livros que já foram publicados (do primeiro ao décimo volume). Alguns destes contos expandem um pouco o universo, explicam certos rituais, outros esclarecem o que aconteceu antes de alguns livros, como por exemplo o "Resposta de uma Palavra Só" que introduz os acontecimentos do Traição de Sangue. Apesar de não achar esta compilação de contos nada de extraordinário, reconheço que a saga só fica completa com estes contos. Algo que notei e me surpreendeu foi que os casos (de investigação) pareceram-me muito mais interessantes, talvez por serem curtos e não dar muito espaço a passagens como a Sookie a lavar a roupa ou a arrumar a casa.

Pontos Positivos: Uma boa adição à saga. Mais curtos e mais interessantes.

Pontos Negativos: Pouco empolgantes.

Estado de Espírito: Boa.

Fez-me reflectir sobre: Nada.

Revolutionary Road

Resumo: Revolutionary Road conta a história de Frank e April Wheeler, um jovem casal americano dos anos 50 que têm uma vida estável e perfeita nos subúrbios de Nova Iorque. No entanto ambos estão terrivelmente infelizes com a vida que têm pois sentem que abdicaram dos seus sonhos quando casaram e tiveram filhos. Decidem então partir, deixar para trás aquele lugar e irem viver para Paris, um lugar que sempre sonharam, um lugar melhor. O problema é que Frank tem de enfrentar o medo de um futuro incerto e April terá de lutar para que não desistam da mudança.

Expectativa: Esperava um bom livro, sério e pesado mas receava não gostar da escrita ou que fosse muito enfadonho. 

Opinião: Mesmo que não tivesse gostado da história teria adorado a experiência de ler Richard Yates. Que escritor maravilhoso. Adorei tanto mas tanto a sua prosa, a forma como nos apresentava as cenas, em que actos e pensamentos, frases e ideias coexistiam todos no mesmo parágrafo. As discussões, as emoções são tão bem narrados que senti-me na pele daqueles personagens, vivendo aquele dia-a-dia, sofrendo a agonia dos dias que passam e da vida não muda.
O tema do livro é o mais banal possível: um casal em ruptura, com discussões constantes, em sofrimento. Um tema que pela sua simplicidade faz-nos acreditar que será outro livro banal só que a forma como Yates desenvolve as cenas, interliga os personagens, as suas acções e consequências (além da sua escrita maravilhosa) é que o torna cativante.
É sobre a perspectiva de Frank que conhecemos grande parte da história: a sua incapacidade de alcançar April, o trabalho enfadonho, a traição, a euforia e posteriormente em partir. Houve momentos que me repugnou com as suas mentiras e manipulações, outras que senti compaixão porque afinal ele é cobarde, como todos nós o somos pelo menos uma vez na vida. Do outro lado April, a altiva, a autora da louca ideia de partirem para Paris, é a pessoa mais infeliz de toda a história. Quando o livro começa presenciamos o último dos seus sonhos a ser esmagado. É terrível estar na pele dela. A mulher, a dona de casa, a mãe... ela é tudo aquilo que não desejava ser naquele momento.
Nas discussões por vezes ficava do lado dele, outras do dela. Amei e odiei ambos porque revi-me em ambos, no bom e no mau.
John Givings entra em cena como o elemento destabilizador: ele é o louco, sem filtro social, que diz o que pensa e por isso mete o dedo na ferida e esfrega. É ele que compreende a loucura dos Wheelers em partirem do "vazio sem esperança" e é ele que abre o jogo quando estes anunciam que já não o vão fazer.

Uma pequena nota: não resisti em ver logo a seguir o filme realizado por Sam Mendes, com a Kate Winslet e o Leonardo Di Caprio. A adaptação está perfeita com ambos os actores a fazerem uma interpretação excepcional. No entanto a escrita de Richard Yates é incontornável e merece ser lida.

Pontos Positivos: A escrita maravilhosa de Richard Yates, o tema íntimo que retrata, a forma crua como a história é contada.

Pontos Negativos: Não tem.

Estado de Espírito: Muito bom, ansiava há algum tempo em ler algo assim.

Fez-me reflectir sobre: As expectativas da juventude, os sonhos quebrados, a coragem e a cobardia. O espaço vazio que a falta de amor deixa.

The Native Star

Lido no Kindle
Lido em Inglês

Resumo: Emily Edwards é uma bruxa na pequena cidade de Lost Pine, numa California do séc. XIX. O negócio anda a correr mal graças à concorrência desleal de uma empresa de feitiços por encomenda e Emily e o seu pai estão a passar dificuldades financeiras. Por isso mesmo ela toma a decisão de lançar um feitiço de amor ao lenhador mais rico de Lost Pine que acaba por correr muito muito mal. Numa noite ela consegue provocar uma cena de ciúmes ao lenhador, lançar suspeitas que anda envolvida com o impertinente mago Nova Iorquino Dreadnought Stanton, colocar a população de Lost Pine contra ambos e ficar com uma pedra azul presa à mão direita. Ainda por cima esta pedra tem a propriedade de absorver magia e torna-se vital para Emily retira-la e salvar a mão.
A única pessoa que é capaz de ajudá-la é mesmo o impossível Dreadnought e ambos partem numa viagem mirabolante, cheia de aventuras e perigos escondidos, de vilões disfarçados e de muita magia, até chegarem a Nova Iorque. Pelo caminho Emily e Dreadnought enamoram-se um pelo outro mas a condição física dele e a falta de posição social dela impedem-nos de acreditar que podem ficar juntos.

Expectativa: Pouca ou nenhuma. Apaixonei-me pela capa e pela promessa que seria um livro de cowboys e steampunk. Apesar de não ser bem o que esperava foi uma leitura muito agradável.

Opinião: Este livro tem muito pouco ou quase nada de steampunk e MUITO de magia. Confesso que não sou grande apreciadora e quando comecei a perceber, logo no primeiro capítulo, que era um livro sobre/com magia, torci o nariz, parei a leitura e só a retomei quando comprei o Kindle. Com o avançar da história fui percebendo que a magia neste universo era abordada de uma forma muito científica e racional e foi isso que me manteve cativada. As explicações de Dreadnought a Emily sobre os vários tipos de práticas de magia fazem compreender melhor este universo e nunca foram aborrecidas.
Emily e Dreadnought partem numa viagem cheia de aventuras, o enredo é interessante e original, muito diferente de tudo aquilo que li até agora. A sensação de faroeste está constantemente presente, com cavalos, pistolas, vestidos com corpetes, índios, comboios... muito bom! O Steampunk surge na segunda metade do livro para a frente mas de forma tão subtil que quem não conhece a estética nem se apercebe da sua presença.
Muito aquém da expectativa (ou até mesmo desnecessário) é o romance entre Emily e Dreadnought. Das duas uma: se a escritora planeava em escrever apenas um livro, podia ter construído o romance desde início ou, se planeava uma série (que é o caso), então não teria terminado como o fez. Achei tudo muito forçado, rápido e seco demais. Passam o tempo a tratarem-se como amigos, sem um vislumbre de desejo em frase nenhuma e, de repente, a Emily está a numa choradeira porque tem o coração partido. É tão insípido que desejei que nunca tivesse acontecido. Se vão escrever um romance mau então não o escrevam! Ficavam amigos durante uns livrinhos e o desejo surgia, depois o romance... seria bem mais empolgante de ler.

Pontos Positivos: O universo criado, a história que envolve a pedra da mão da Emily é muito boa, o conceito de magia que a torna real e credível.

Pontos Negativos: O romance. Aqueles vilões no final que não entendi muito bem. O facto do primeiro capítulo ter ficado "pendurado" até ao final da história.

Estado de Espírito: Bom, foi o primeiro livrinho lido no meu Kindle.

Fez-me reflectir sobre: A importância do ser humano em viver em harmonia com o planeta que habita.