Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Teaser Tuesday #13

O meu teaser de 29 de Novembro de 2011: 
 
"His eyes were more yellow than tawny gold, and particularly sharp in the dimly lit room. "I hate when you do that," he growled."
Pág. 62, "Soulless" de Gail Carringer
 
 
 
 
Regras:
  • Pega no livro que estás agora a ler (escolhe um se estiveres a ler vários ao mesmo tempo);
  • Abre na página onde paraste a leitura;
  • Escolhe e partilha duas frases dessa página.
Nota: 
  • Nada de frases muito reveladoras do enredo! A ideia é espicaçar o interesse pelo livro, não é destruir a leitura futura de outros leitores. 
  • Além da página, coloca também o título e o autor do livro. Assim outros poderão adicionar o livro à sua lista de leituras futuras, caso gostem do vosso teaser.
  • Quem quiser participar pode deixar aqui no blog um comentário com o vosso teaser ou o link para o teaser no vosso blog.
Teaser Tuesdays é um meme de livros promovido pelo blog Should Be Reading. O meme aqui apresentado é uma modificação mas fiel ao espírito do meme original.

The Anubis Gates

The Anubis Gates
Lido em Inglês
Resumo: Brendan Doyle é um professor académico do Séc. XX que é convidado por um cientista louco a dar uma palestra no séc. XIX sobre um poeta obscuro, a um grupo de pessoas ricas que têm dinheiro para pagar para viajarem no tempo. É raptado por uns ciganos praticantes de magia egípcia e fica por isso impedido de regressar ao seu tempo. Sozinho num mundo e século que desconhece, Doyle vê-se obrigado a sobreviver numa Londres onde os pedintes têm regras, onde um homem-cão anda a trocar de corpo em corpo, em que a magia possibilita a criação de clones, teletransporte e de guildas secretas. Depois de muitas aventuras, um corpo novo e a consagração como poeta, Doyle, agora Ashblee, consegue destruir os maus, enganar a morte e ficar com a miúda no final.

Expectativa: Muito alta. Tem viagens no tempo e era recomendado como obra de steampunk. Além disso era um livro premiado. Pensei mesmo que iria começar a minha leitura temática com “chave d’ouro”.

Opinião: Há livros assim: têm tudo para gostarmos deles e depois o amor não acontece. O “The Anubis Gates” prometia uma viagem mirabolante, e assim foi. A melhor forma de o descrever este livro será como um “Alice no País das Maravilhas” mas sem “maravilhas” e cuja “Alice” é um professor académico muito irritante que se torna no nosso herói acidental.
O conceito de “viagem no tempo” é muito interessante e a explicação deste foi provavelmente a única cena de todo o livro que gostei. Tudo o resto é confuso, bizarro e simplesmente maçador.
Ao início não percebi porque é que o livro estava a ser tão chato, só ao fim de umas 100 páginas é que cheguei à conclusão que era a escrita do autor e não as cenas em si que me aborrecia. É muito desgastante estar a meio de uma cena de acção e ter a atenção desviada para a descrição de objectos ou os lugares onde estas ocorrem. Constantemente!
Doyle deve ser, provavelmente, o herói mais chato e desinteressante de sempre. Passei mais de metade do livro a desejar-lhe a morte, para acabar de vez com o meu sofrimento. As restantes personagens são horríveis, muito além do excêntricas ou fisicamente deformadas. Um verdadeiro circo de horrores. 
A história deu várias reviravoltas, a grande maioria confusas, principalmente os saltos para cenas com novas personagens em que era difícil ou mesmo impossível compreender as motivações ou qual a finalidade delas para aquele momento da história. Penso que a grande maioria não teve finalidade alguma a não ser aparecer no “circo de horrores”. E, apesar de tantas reviravoltas, acabei por adivinhar o final a muitas páginas antes deste acontecer.
O meu interesse em ler este livro foi que, além de abordar aventuras e viagens no tempo, era também referido constantemente como uma das primeiras obras steampunk. Ora, eu sei que sou novata em relação ao conceito e por isso agradeço desde já que me elucidem qual foi a parte steampunk que me escapou no The Anubis Gates. É uma história de ficção científica (viagens no tempo) com elementos de magia que acontece no séc. XIX. Não há evolução de tecnologia antes do tempo, não há naves voadoras, dirigíveis, carros, comboios ou barcos a motor. Por isso elucidem-me, onde está o Steampunk?? As explicações serão bem-vindas. Até lá irei remeter este livro para a estante de Viagens no Tempo.

Pontos positivos: Não me lembro de nenhuma além da criatividade. Talvez seja mais interessante para quem sabe mais sobre literatura inglesa do séc. XIX.

Pontos negativos: Chato e estapafúrdio.

Estado de espírito: Bom ao início, apesar de esta ser uma época do ano em que ando muito cansada e nada disposta a ler livros confusos.

Fez-me refletir sobre: Tenho de me manter afastada de todos os livros que digam Tim Powers.
Este livro foi-me oferecido pela “A Bibliofila” e enviado da Suécia, que o escolheu porque estava na minha wishlist e que nem ela nem ninguém poderia imaginar que eu não ia gostar do livro.  Há quem goste e muito e foram essas críticas positivas que nos levaram ao engano!

Heart of Steel

Heart

Lido em Inglês

Resumo: Archimedes Fox é um aventureiro e uma celebridade. As suas aventuras, escritas pela sua irmã, são lidas em todo o mundo ocidental. A última vez que foi visto com vida foi quando foi atirado borda fora da aeronave da Yasmeen, a jovem capitã do Lady Corsair. Yasmeen é temida e com razão: a bela capitã é ágil e perigosa. E é esse perigo que atrai Archimedes: ele sabe que conquistá-la poderá ser a sua aventura mais difícil e talvez a derradeira. Quando Yasmeen perde tudo e Archimedes precisa de pagar uma dívida, ambos decidem unir esforços e recuperar o esboço de DaVinci roubado. Juntos partem numa aventura em que os amigos e inimigos se confundem, em que o poder da Horde no ocidente encontra-se cada vez mais fragilizado e em que o Archimedes tem que descobrir um caminho para o coração de Yasmeen, para o seu coração de aço.


Expectativa: Muito alta. Tinha adorado o "The Iron Duke" e esperei um ano para poder ler este livro.
Opinião: É sempre complicado para mim escrever opiniões de livros de que gosto muito e este é um desses casos. Talvez daí estar a escrever esta opinião tanto tempo depois de ter terminado o livro, tenho sempre receio de deixar algo importante de fora. Neste caso em concreto a minha dificuldade principal foi: "Sobre o quê é que eu vou escrever sem spoilar demasiado?” O grande prazer deste livro é descobrir o que acontece, é maravilhar-me com a complicada intriga como se de um policial se tratasse, divertir-me com as aventuras estilo "Piratas das Caraíbas" e enamorar-me pelos protagonistas tal como em qualquer livro de literatura romântica.
Sobre os personagens, o que posso dizer é que esta autora escreve heroínas fabulosas e Yasmeen, mais conhecida por Lady Corsair, não é exceção. Ela é, primeiro que tudo capitã, depois perigosa e por último mulher. Coloco o "perigosa" em 2º lugar porque é neste livro que descobrimos o que a torna tão peculiar, não só fisicamente. Archimedes Fox foi um dos meus personagens masculinos favoritos deste ano: ele é divertido e persuasivo, muito charmoso, veste casacos de cores brilhantes e é viciado em situações perigosas. Adorei a abordagem que ele utiliza para seduzir Yasmeen e a “dança” que acontece entre ambos, em que um beijo acaba por significar mais do que o sexo.
O mundo de “The Iron Seas” é agora apresentado de uma outra perspectiva, mais global, onde todos os elementos de Steampunk ainda estão presentes mas já não dominam tanto a história. O grande pano de fundo deste livro é a “Horde” e os povos que vivem no Novo Mundo, por nós conhecido como o continente americano, e que são nada mais que refugiados europeus e africanos. Nunca pensei que viesse a gostar tanto de história alternativa e dei por mim a pensar: “Bem, se o Vaticano está infestado de zombies e se ainda há católicos, onde vive o Papa agora?” pergunta para a qual não sei se irei ter resposta um dia.


Pontos positivos: Archimedes e Yasmeen, o elaborado enredo, os inimigos disfarçados.


Pontos negativos: Apesar de não lhe dar 5 estrelas como ao “The Iron Duke” acho que não lhe ficou aquém. As 4 estrelas são apenas porque achei o livro curto, aliás foi a primeira coisa que pensei quando lhe peguei. Ficou aquém das expectativas? Um pouco. Esperava um livro um pouco mais denso, como o seu antecessor.

Estado de espírito: Muito bom, ó meu Deus eu queria tanto ler este livro, larguei tudo o ler.

Fez-me refletir sobre: Engenharia genética para aperfeiçoamento do corpo humano.

Amores passados

Ao reler um livro ou a rever uma série ou filme que amamos muito no passado o maior medo não é descobrir que o nosso amor diminuiu ou que não era (afinal) tão bom assim. É percebermos que mudamos e que nos tornamos numa pessoa diferente, que de certa forma perdemos a "inocência" que tínhamos naquele momento. Podemos voltar a amar o livro, a série ou o filme mas já com o novo "olhar" misturado com a euforia das memórias que esse objecto em nós desperta.
Será um novo amor mas não o mesmo. Porque esse pertence ao passado e nós somos sempre presente.

Os livros que Stanley Kubric adaptou para cinema

Sou uma grande fã de Stanley Kubrick desde que vi, de uma só vez por inteiro sem interrupções, o 2001 - Odisseia no Espaço a 01-01-2001 (Obrigada RTP2!). Apesar de ainda não ter visto todos os seus filmes, sabia que aqueles que já tinha visto eram baseados em livros (no caso do "2001" o livro foi escrito em simultâneo com o livro). O que não sabia é que quase todos eles foram baseados em livros. Não foi por isso difícil tomar a decisão de criar mais uma lista de leitura temática, neste caso, ler os livros que Stanley Kubrick adaptou para cinema. Esta lista é para ser lida ao longo da vida e consoante eu conseguir adquirir os livros.
Os dois primeiros livros eu já li e por isso não vou reler ou escrever nova opinião. São eles os seguintes:

  • Lolita - foi lido antes de eu ter este blog mas escrevi recentemente sobre este livro, assim como as duas adaptações ao cinema, uma delas por Stanley Kubrick. 
  • A Luz  - foi lido muito recentemente e foi um livro que não gostei nada. É muito conhecida a polémica da adaptação do livro, pois Kubrick e King desentenderam-se e King saiu do projecto. Adoro o filme, detestei o livro. 
  • The Killing - Deu origem ao filme com o mesmo nome e um dos primeiros do realizador. 
  • A História de um Sonho - Deu origem ao filme "Eyes Wide Shut", com Tom Cruise e Nicole Kidman. Foi o último filme do realizador e cuja montagem não ficou terminada antes de morrer. 
  • A Laranja Mecânica - Deu origem ao filme com o mesmo nome. O livro desta lista que mais me assusta porque segundo ouvi dizer é complicado de se ler. Adorei o filme e toda aquela e loucura assim como tudo se desenrola e termina.
  • 2001 - Odisseia no Espaço - Escrito por Arthur C. Clarke ao mesmo tempo que trabalhava no guião do filme homónimo com Kubrick.
  • Nascido para matar - Deu origem ao filme com o mesmo nome. Ando a ganhar coragem para ver o filme porque é de guerra e eu ODEIO filmes de guerra (apesar do meu irmão me chamar de idiota porque o filme não é de guerra).
  • Paths of Glory - Deu origem ao filme com o mesmo nome. É considerado um dos maiores livros anti-guerra. Ainda não vi o filme.
  • Spartacus - Deu origem ao filme com o mesmo nome. É sobre o escravo que fez tremer o Império Romano quando liderou uma revolução de escravos. Existe neste momento uma série de TV que está a contar a mesma história. Ainda não vi o filme.
  • Dr. Strangelove - Deu origem ao filme com o mesmo nome. Não faço a mais pequena ideia sobre o que trata este livro e ainda não vi o filme.
  • Barry Lyndon - Deu origem ao filme com o mesmo nome. Não sei nada da história, só sei que o filme está lá em casa para ler.
 Provavelmente irei ver os filmes que ainda não vi quando chegar a altura de ler os respectivos livros.

Teaser Tuesday #12

O meu teaser de 15 de Novembro de 2011: 
"He turned to Doyle and the others. 'We lost six men here,' he said quietly."
Pág. 300, "The Anubis Gates" de Tim Powers
Regras:
  • Pega no livro que estás agora a ler (escolhe um se estiveres a ler vários ao mesmo tempo);
  • Abre na página onde paraste a leitura;
  • Escolhe e partilha duas frases dessa página.
Nota: 
  • Nada de frases muito reveladoras do enredo! A ideia é espicaçar o interesse pelo livro, não é destruir a leitura futura de outros leitores. 
  • Além da página, coloca também o título e o autor do livro. Assim outros poderão adicionar o livro à sua lista de leituras futuras, caso gostem do vosso teaser.
  • Quem quiser participar pode deixar aqui no blog um comentário com o vosso teaser ou o link para o teaser no vosso blog.
Teaser Tuesdays é um meme de livros promovido pelo blog Should Be Reading. O meme aqui apresentado é uma modificação mas fiel ao espírito do meme original.

Pág. 1/3