Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Adeus ou até logo

Já há algum tempo que ponderava fechar este blog. Já teve periodos de abandono prolongado e fases de actividade intensa. Viveu ao meu ritmo porque é o meu blog pessoal.

E por ser pessoal nunca o levei muito a sério: deixava aqui tudo aquilo onde não escrevia em mais lado nenhum, foi mais ou menos um pedacinho de mim, da minha visão do mundo.

Só lamento ter sido tão naïve. Descobri coisas e ideias maravilhosas nessa blogosfera fora, em blogs pessoais e por isso mesmo quis partilhar as minhas. Nunca pensei que isso fosse abrir uma porta para ataques pessoais. Agora parece que é moda descobrir um blog e parar por lá a destilar insultos sobre o quanto a pessoa é fútil e etc. Por isso decidi apagar todos os comentários deste blog e não permitir mais nenhum. Depois de o fazer cheguei à mais dolorosa conclusão: sem os comentários, bons ou maus, isto não é um espaço de partilha.

Eu não quero falar sozinha mas também não estou para ser atacada na minha própria casa. Por isso fecho a porta.

 

Adeus ou até logo.

Como tranferir um blog do Sapo para o Blogger

Há pouco tempo ponderei transferir este blog para o Blogger. Apesar de ter desistido da ideia (vou fechar este e recomeçar um novo) consegui ser bem sucedida na transferência para a outra plataforma. Considerando a falta de informação que há sobre o assunto, fica aqui o meu manual de como o fazer:

Primeira Fase: adquirir os posts do Blog do Sapo

Actualmente, a única forma de obter os posts de um dos blogs do Sapo é

  • enviando um email para sugestoes.blogs@mail.sapo.pt solicitando à Equipa dos Blogs do Sapo o ficheiro XML do vosso blog (eu indiquei o endereço do meu) e aguardar a resposta.
  • Recebi o ficheiro do meu blog zippado.
  • Extraí para o ambiente de trabalho e abri-o.
  • Veriquei nas primeiras linhas de código que era compatível com Wordpress.
  • Se o ficheiro for menor que 1MB, saltar para a Terceira Fase.
  • Se o ficheiro for maior que 1MB, ir para a Segunda Fase.

Segunda Fase: do Sapo para o Wordpress

Como a ferramenta que se vai utilizar na terceira fase só aceita ficheiros menores que 1MB, o ficheiro do blog do Sapo terá de ser importado primeiro para o wordpress e depois exportar em vários ficheiros menores que 1 MB. Eu fiz assim:

  • Abri uma conta no wordpress.
  • Criei um blog.
  • Usei a ferramenta de importação do wordpress de forma igual como é explicado neste vídeo:

 

  • Exportei por partes (no meu caso, reparti por anos) os posts que tinha importado, como explica este vídeo:

 

Terceira Fase: do Wordpress para o Blogger

 Depois de criados os vários ficheiros, será necessários convertê-los para formato Blogger. Eu passei um a um nesta ferramenta:

Notas:

  • Apaguei o ficheiro wordpress depois de o ter utilizado.
  • Verifiquei no Blogger se tinha posts repetidos.

Uma nota final: A decisão de encerramento deste blog nada tem a ver com a plataforma dos Blogs do Sapo em si. À equipa do Sapo só tenho a tecer elogios, até mesmo no momento em que lhes solicitei o ficheiro foram amáveis e prestáveis. Tenho outros blogs por aqui e por isso continuarei por aqui.

 

Os comentários deste blog estão encerrados. De certeza que surgirão algumas dúvidas sobre o processo de transferência mas eu não sei mais do que aquilo que aqui expliquei. Caso tenham algumas sugestões para acrescentar ou alterar este "manual", poderão me contactar aqui.

O Natal de um predador da Noite

O Natal de um predador da Noite
O Natal de um Predador da Noite é um pequeno conto que conta a história de Gallagher, um predador da noite ainda novo,cuja a angústia da sua situação é acordada quando se cruza com uma sua descendente.
Para quem conhece a saga sabe que uma das características da mesma é a luta das seus personagens contra a solidão. Este conto foca isso mesmo, especialmente numa época do ano em que a solidão parece mais real e dolorosa. De uma forma engenhosa, Sherrilyn Kenyon coloca uma das minhas personagens favoritas, Simi, a mostrar a Gallagher que não está realmente sozinho e que o conceito de família pode ir vai além dos laços de sangue.
Pontos interessantes: a mulher de Gallagher era luso-descendente.
Um bom complemento a uma das minhas sagas favoritas.

Rainha das Trevas

Rainha das Trevas Resumo: Após todas as tentativas de derrotar Janelle terem falhado no passado, Dorothea e Hekatah preparam o plano mais diabólico de todos, aquele que destruirá não só Jaenelle mas todos os que a rodeiam. Jaenelle e os parentes pressentem que uma grande tragédia se aproxima e começam a preparar-se para o pior. Entretanto a família de Jaenelle descobre que ela ainda está viva e estão decididos a arranca-la das garras de Saetan, não acreditando que esta é agora a rainha mais poderosa dos Sangue. O plano de Jaenelle é simples: libertar todo o seu poder, destruir os Sangue corruptos, salvar os que ainda são puros. Mas fazê-lo irá exigir um sacrifício que, aqueles que a amam e protegem poderão não compreender, ou aceitar facilmente.
Crítica: Uma das razões que me levou a demorar tanto tempo a escrever esta opinião, foi que fiquei extenuada depois de ter terminado o livro. Outra foi os sentimentos contraditórios que senti quando o terminei. Olhando para a trilogia como um todo acho que é das melhores que já li até ao momento: bem construída e pensada, um mundo maravilhoso criado com todas as suas particularidades físicas e sociais, que ficará na minha memória por muito e bom tempo. Como um todo. Este Rainha das Trevas peca, no entanto, por entregar demasiado depressa (e demasiado pouco) determinados desenvolvimentos que eu esperava com alguma ansiedade desde o primeiro livro. Fez-me um pouco de confusão todo aquele desenvolvimento desde a chegada de Daemon, que não atava nem desatava, precisar ali de um empurrão da Surreal e após a conversa… pimba, já está. Humm?! Que romântico… ou não.
Compreendo porque o Daemon seja um personagem favorito de tantos, no entanto achei-o com demasiadas características femininas para o meu gosto, com todas as suas dúvidas e indecisões. Como é que alguém com 1700 anos e considerado um dos homens mais belos de sempre pode ter dúvidas?? Não compreendi, lamento. Redimiu-se na cena de salvamento de Lucival e Saetan, e, essa foi inclusive, uma das cenas mais empolgantes do livro.
Lucivar, um dos meus favoritos da trilogia foi infelizmente remetido para papel de irmão mais velho. O que significa que tudo aquilo que imaginei que iria acontecer (na minha mente perversa) acabou por não acontecer.
Surreal, outra personagem que tanto me prendeu, com a premissa de prostituta assassina, foi outra que ficou aquém das expectativas. Corajosa e forte acabou por não ter um papel nada de extraordinário no enredo.
E por fim, Jaenelle, o personagem no centro de toda esta história. Se inicialmente gostei e compreendi não haver um ponto de vista dela, acabou por ser algo que me frustrou bastante ao longo da leitura. Queria saber mais sobre o que se passava, o que ela sentia e pensava e não haver isso fez-me muita falta.
Pontos positivos: O papel definitivo dos Parentes no enredo, a construção do mundo em todos os seus detalhes, assim como o desenrolar de eventos.
Pontos negativos: Andulvar, Lucivar, Daemonar, e mais uns não-sei-quantos-“ar”, credo!! Que confusão. Detesto nomes inventados, a comichão continua.
Fez-me reflectir sobre: Que é realmente difícil perceber porque é que há livros que funcionam bem para umas pessoas e não para outras, mesmo quando têm ingredientes que à partida parecem que iam funcionar assim como é difícil terminar esta saga pensando “Gostei muito mas…” porque não consegui aceitar bem o que a história me deu, porque desejei mais do que a história me veio a dar.
Este livro foi emprestado pela Célia da Estante dos Livros.