Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

Telmixa

Mix de leituras, organização, tv, filmes, tecnologia e de mim, claro!

De quem é o vosso blogue?


Estive nestes últimos dois dias a actualizar as minhas leituras que tinha em atraso no meu Google Reader, de blogues portugueses sobre livros. Tenho subscritos 61 blogs apesar de ter notado que alguns não são actualizados há já algum tempo. Ora, se há mais de um mês que não punha a leitura em dia, tinha à vontade mais de 200 itens para ler. Aliás, ainda não terminei.

Confesso que já tinha reparado antes mas agora foi mais óbvio que nunca: a quantidade de publicidade que os blogues têm. Não falo do Google Adsense ou outro tipo de publicidade paga, falo mesmo das newsletters que as editoras enviam a informar dos lançamentos de livros, com as capas e sinopses e dos tops da semana dos livros mais vendidos.


Na minha casa, mando eu.

Pelo menos é assim que penso em relação ao meu blogue e desde já acrescento: esta minha reflexão não pretende atacar ninguém em particular, ou nenhum tipo de blogue ou site. Acho que cada um faz o que quer e bem entende no seu blogue e ninguém tem nada a ver com isso. Nem eu. Esta minha reflexão serve principalmente para dar a minha perspectiva como leitora.
Ora dos tais 200 e muitos items que eu tinha para ler mais de metade eram copy/paste de newsletters, informações dos tops dos mais vendidos da semana e passatempos. Os passatempos são sempre bem vindos. Todos os outros eu limitei-me a bocejar e a clicar no botão para ler o item seguinte. Porquê?


Porque é que eu leio blogues sobre livros?

Acima de tudo eu gosto de saber o que os outros pensam de um certo livro. Se gostaram ou não da leitura, de sentir que partilho o entusiasmo com alguém que leu o mesmo que eu, perceber se há curiosidade ou ansiedade com o lançamento de um livro, etc... Claro que há mais lugares para fazer isso além de um blogue: sites como o Goodreads ou o Librarything, Twitter, Facebook, fóruns.
Mas... se a pessoa cria um blogue, um cantinho que é só seu, que é em parte a sua voz sobre aquilo que gosta de ler, não deverá esse espaço reflectir a pessoa, o leitor? Se a resposta é sim, então porque é que inundam os vossos cantinhos com sinopses das novidades editoriais? Porque é que não fazem algo mais interessante como o blogue "The Book Smugglers" faz chamado "On the Smuggler's Radar" (exemplo de um desses textos) que é uma escolha dos livros que elas acharam interessantes, entre os MUITOS que são lançados no mercado editorial americano, e que elas estão realmente interessadas em ler.

Acabo por sentir que muitos blogues que por aí andam são despersonalizados quase que uma extensão dos departamentos de marketing das editoras. Assim não vão conseguir se destacar da multidão e acreditem, todos os dias nascem novos blogues de bibliófilos. Querem que eu vos continue a ler? Destaquem-se, mudem, tragam algo de novo aos vossos blogues, as vossas ideias e entusiasmo.

De quem é o vosso blogue?

Eu sei que o "Ler e Reflectir..." é a minha voz. Com menos ou mais qualidade é o reflexo do que eu penso quando leio um livro, do que eu gosto e quero ler, etc. Talvez daí não compreender porque é que tanta gente se permite a abdicar do seu espaço gratuitamente e fazer o trabalho que cabe às editoras e meios de comunicação fazer. Repito: gratuitamente. Eu acho que receber livros para escrever "críticas" não é paga suficiente para abdicar de um espaço que deveria ser o reflexo dos seus gosto de leitura pessoal. Vendo o assunto de outra forma:
  • Quando uma empresa pretende colocar um toldo, uma tela, um outdoor ou um muppet a anunciar o seu negócio, paga uma taxa à Câmara Municipal.
  • Quando uma empresa pretende anunciar o seu negócio numa revista, jornal, rádio ou televisão, paga por esse serviço.
Dois exemplos que mostram que ninguém dá o seu espaço sem algum retorno. 
Qual é o retorno que recebem pelo vosso trabalho? Livros?! É esse retorno satisfatório? Foi com essa intenção que criaram o vosso blogue? Qual é o compromisso que assumiram com os vossos leitores? A quem pretendem satisfazer: os vossos egos, os vossos leitores ou às vossas editoras?

Estas são as perguntas que acho que cada bloguer, seja de livros ou qualquer outra área, deve colocar a si mesmo (não é responder a mim, não pretendo nada disso) quando cria um blogue e pretende mantê-lo (porque manter dá muito trabalho).

A verdade é que já pensei várias vezes em falar sobre isto mas sempre achei que iria provocar alguma espécie de atritos ou mal entendidos com outros bloguers e não é de todo essa a minha intenção. Assim como noto que não é só em Portugal que estas questões se colocam e foram as mesmas Book Smugglers que escreveram um texto há uns meses em que, após uma conferência de Book Bloggers chegaram às mesmas conclusões. Saliento por exemplo estas ideias:
The idea seems to be that because book bloggers are not part of some larger, professional (read: paid) organization, because we run the gamut from teenagers to housewives, we are not on the level. We should be happy with the free books and any other extras we receive – and in return for those ARCs/galleys/review copies, we automatically are inured to a bizarre power hierarchy in which bloggers are expected to do certain things. And the worst part is, we’ve noticed that this assumption of being indebted to publishers stems from bloggers.
This, dear readers, makes us a little bit frustrated.
This makes us frustrated because we are not publisher subordinates. We aren’t their employees. As awesome as free books are, they aren’t really that huge of an incentive. If you, dear reader, are anything like us Smugglers, you probably buy a shameful amount of books on your own. Here at Smuggler Headquarters, we buy just as many books (who are we kidding – we probably buy more) as we get for “free.”
We bloggers do what we do because we love reading. 
(...)
We are not employees or lesser beings who are at the behest of publishers, eager to do whatever publishers want in order to promote or sell more books. No, we are partners in a symbiotic relationship – and we appreciate it when we are treated like partners. Not as lower-echelon minions that owe a publisher something in exchange for a free copy of a book. Like it or not, book bloggers are part of an ever-growing, ever-evolving publishing industry, and we deeply wish that more bloggers would also embrace this frame of mind.
Aconselho realmente a ler o artigo inteiro e espero que, de alguma forma, este texto sirva de reflexão

17 comentários

Comentar post

Pág. 1/2